GCM reduz assaltos no Jardim Guapituba em Mauá

Via ABCD Maior

Bairro de Mauá sofreu onda de violência durante o primeiro semestre deste ano

Situação crítica do bairro levou moradores a colarem cartazes informando o perigo nas ruas. Foto: Andréa Iseki

Situação crítica do bairro levou moradores a colarem cartazes informando o perigo nas ruas. Foto: Andréa Iseki

A GCM (Guarda Civil Municipal) de Mauá reforçou o patrulhamento nas vias do Jardim Guapituba, bairro que passou por onda de ocorrências criminais nos últimos meses. Conforme o comando da corporação, ao longo do mês de agosto os agentes reforçaram a segurança local impedindo novos delitos. A situação da região estava de tal forma que os próprios moradores colaram placas em postes avisando sobre o índice de violência no bairro.

Conforme o comandante da GCM mauaense, João Carlos Conígero, as reclamações dos moradores chegaram até o prefeito Donisete Braga. “Em reunião com a comunidade, o prefeito entendeu que a situação era grave e solicitou o reforço das atividades da guarda no local”, explicou Conígero. A análise feita pelo comandante tem como base as informações do 2º DP (Distrito Policial) responsável pelo bairro. “Em agosto quase não houve ocorrências registradas sobre roubos e assaltos. Mesmo assim, vamos continuar nosso trabalho”, salientou.

O Jardim Guapituba é uma região com poucas ruas de acesso. O bairro possui diversas residências e poucos pontos comerciais. A frequência de pessoas na rua é baixa, o que facilita a atuação dos criminosos. Além de assaltos nas ruas, os moradores também reclamam de roubo e furtos a residências. Os crimes acontecem a qualquer período do dia.

Outro trabalho que a GCM está desempenhando é a Operação Ponto Seguro, focada no patrulhamento em pontos de ônibus no período da madrugada. O projeto começou este ano e prioriza pontos de embarque onde assaltantes costumam fazer vítimas. Nas última semanas, porém, a GCM mudou a tática. Além de patrulhar esses locais com motos, os guardas também entram nos ônibus para vistoriar e alertar a população. “As motos previnem o ataque de criminosos. Mas depois que iniciamos a atuação, muitos assaltantes começaram a praticar o crime dentro dos coletivos”, explicou o comandante Conígero. “Agora, estamos entrando nos ônibus e, constatando que não há nenhum problema, conversamos rapidamente com os passageiros explicando a operação”, reforçou.

Fonte: ABCD Maior | www.abcdmaior.com.br
Postado por: Grupo Discom | grupodiscom.com.br

Comente

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *